Início

Cãotinho do Labrador Retriever

Um espaço de todos e para todos

O primeiro arranjo

A limpeza diária deve ser vivida como uma operação que faz parte da educação
do cachorro que passa a viver com uma família lembre-se de que o costume da limpeza deve ser transmitido rapidamente ao cachorro!
Não existe cachorro que aceite a primeira limpeza com agrado. Na primeira vez, deverá empreender uma autêntica pequena batalha da qual sairá vitorioso, usando como armas só a paciência e a determinação.

Depois de reunir os instrumentos adequados para o cuidado do pêlo, é necessário equipar-se com uma mesinha para colocar o cão à sua altura, de forma a que a operação se efectue sem ter de dobrar as costas ou os joelhos.
De facto, a limpeza pode ser longa e laboriosa, e é essencial que quem a realiza tenha sempre o controlo do animal e dos seus movimentos, e um bom nível de concentração para não provocar ferimentos no animal. Além disso, tenha em conta que um cão percebe de imediato os estados de desassossego ou de incerteza de quem o está a tratar e terá maior tendência para se rebelar. Uma posição cómoda, portanto, e todos os instrumentos neces- sários ao alcance da mão para não se can- sar antes do cão.

É importante que a limpeza se faça sempre no mesmo sítio, por exemplo na mesma mesa ou tábua, de maneira que constitua para o cão um sinal específico: deverá ser bom e paciente até estar completamente arranjado. Lembre-se de que o asseio é um momento em que se fortalecem as relações e o animal aprende a ter confiança em nós, em que o nosso cão tem a oportunidade de entender e aceitar os nossos cuidados: um cão que se deixa tratar sem problemas será um cão bem educado, tanto em casa como na rua.

Ponha o cachorro sobre a mesa, tranquilize-o, falando-lhe em voz baixa e pausada e acaricie-o durante alguns minutos; a seguir, comece a penteá-lo com uma mão, segurando-o firmemente com a outra. Depois de ter tentado fugir mordendo, pode acontecer que o cachorro comece a gritar como se estivessem a despedaçá-lo, embora a passagem pelo pêlo seja mais ligeira do que a de uma pena.
Tudo deve fazer-se segundo o protocolo: como uma criança, também os cães gritam como primeira defesa instintiva por algo que não entendem e que também os assusta. Não pare, continue a limpá-lo mantendo a calma e um tom de voz tranquilo. Mais tarde ou mais cedo, o cachorro cansar-se-á, diminuirá o nervoso e começará a sentir-se menos tenso entre as suas mãos. Este é o momento de interromper a operação: só assim o cão entenderá, depois de algumas repetições, que só ficando quieto a "tortura" terminará.

Desça-o da mesa com suavidade, dê-lhe uma bolacha e acaricie-o: aprenderá assim que só estando quieto se ganha a liberdade e uma boa dose de mimos.
Durante estas primeiras operações de limpeza veja se consegue mantê-lo tranquilo, nunca levante a voz e, sobretudo, as mãos, aguente as suas queixas e mantenha-o agarrado apesar das mordeduras. Todos estes esforços serão recompensados com um comportamento futuro do cão nas sucessivas limpezas, caracterizado pela confiança e pela tranquilidade, dado que já sabe que nada de mal lhe vai acontecer.

Relacionados