Início

Cãotinho do Labrador Retriever

Um espaço de todos e para todos

Imunidade

O papel do sistema imunitário de um cão é reconhecer, deter e destruir vírus, bactérias, fungos e micoplasmas causadores de doenças, e lidar com perigos internos como o cancro. Algumas partes do sistema imunitário oferecem uma forma de protecção geral e inata, enquanto outras são muito específicas  como "balas" mágicas destinadas a lidar com invasores específicos.
 
Defesas inatas
O maior componente do sistema imunitário é a pele, uma barreira eficaz contra a maior parte dos micróbios patogénicos, desde que se mantenha intacta. Qualquer invasor que tente entrar por aberturas do corpo ou passagens internas é confrontado com uma variedade de enzimas das secreções mucosas; os micróbios patogénicos que atingem o tracto digestivo têm de
 
Defesas específicas
Um único mililitro de sangue contém cerca de cinco milhões de glóbulos vermelhos transportadores de oxigénio e cerca de 100 000 glóbulos brancos. Estes estão envolvidos nas reacções do corpo a invasores. Dois tipos diferentes de glóbulos, conhecidos por células B e T, mediam dois tipos diferentes de respostas imunitárias, que operam simultaneamente para destruírem micróbios patogénicos invasores.
 
Respostas imunitárias
As células B reconhecem proteínas (antigénios) na superfície de invasores como as bactérias. Cada célula B pode "reconhecer" apenas um antigénio, mas o corpo de um cão adulto contém um vasto número de células B diferentes. Entre elas, as células B são capazes de lidar com quase qualquer invasor que o cão encontre. Quando uma célula B reconhece o "seu" antigénio, divide-se rapidamente e os seus dones começam a produzir anticorpos proteínas que se ligam especificamente a um antigé io particular. Os anticorpos procuram bactérias e unem-se a elas destruindo o processo. As células T fun cionam de forma ligeiramente diferente (ver direita), detectando e destruindo células mutantes ou infectadas por vírus.
 
Imunidade e maturidade
A imunidade demora a desenvolver-se, mas há um tipo de imunidade temporária que passa para o cachorro através do primeiro leite da mãe. À nascença, o tracto intestinal do cachorro é suficientemente permeável para que estes anticorpos sejam absorvidos pela corrente sanguínea, dando assim protecção contra agentes infecciosos. Os anticorpos maternos são reduzidos cerca das 10-12 semanas, quando o cachorro necessita da sua inoculação final.

Autor

Autor: 
Toda a Informação aqui contida foi retirada do "Manual Completo CÃO" do Dr. Bruce Fogle.

Relacionados